Notícias

Voltar

O peixe de características pré-históricas

18.07.2017

É o popular abotoado, comum nos rios Paraná, Paranapanema e Ivaí, que pode pesar até 7 quilos e medir 70 centímetros de comprimento

Armao, Cuiú-cuiú ou mandi capeta. Essas são apenas algumas denominações para o popular abotoado, nome científico Pterodoras granulosus, peixe bastante parecido com um animal pré-histórico. Um exemplar comum, principalmente nos rios Paraná, Paranapanema e Ivaí. Porém, quem é pescador sabe que este não é um dos peixes mais apreciados. Apesar dessa rejeição há quem goste da carne deste exemplar.

Trata-se de um peixe de couro coberto por uma fileira de placas ósseas. Em casos raros, podem beirar um metro de comprimento e atingir os 7 quilos. Possui coloração cinza escuro, cabeça estreita, focinho longo, olhos grandes, boca inferior e barbilhões curtos – não tem dentes. A cabeça possui este formato justamente para facilitar a procura por comida. Oportunistas, gostam de moluscos, embora comam insetos, frutos, sementes, peixes pequenos e detritos.

Geralmente o abotoado vive nos locais mais profundos dos rios, bem como matas inundadas, lagos de várzea e canais onde pode fuçar no fundo em busca de comida. Além da forte carapaça na cabeça, possui ferrões laterais, que podem ferir os pescadores desavisados. Resistente, é capaz de suportar água com pouca oxigenação. Por este motivo é muito comum encontrar grandes cardumes, alguns inclusive com mais de 100 peixes.

Com relação ao equipamento a ser utilizado não existem muitas exigências. Se pescador busca apenas o Armau o mesmo deve utilizar um equipamento de médio a pesado composto por uma vara para linhas de 12 a 13 libras, carretilha ou molinete com capacidade para 100 metros com linha 0,50 milímetros. Os anzóis indicados são do tipo maruseigo 6/0 a 8/0. A chumbada deve fazer com que a isca chegue ao fundo do rio.

As iscas preferidas são minhocuçu, tuvira e pedaços de peixes. Lembrando que esses peixes podem ser fisgados durante todo o ano, é claro, respeitando o período da piracema. Ao pescar jaús é muito comum fisgar um abotoado.