Notícias

Voltar

Tempo seco acelera colheita de milho

20.07.2017

O tempo seco das últimas semanas tem contribuído para que os produtores colham rapidamente a safra de milho nas regiões noroeste e norte do Paraná. As máquinas operam intensamente e a previsão da Cocamar é bater o recorde de recebimento do cereal, ao redor de 1,2 milhão de toneladas. O maior volume até então havia sido registrado em 2015: 848 mil toneladas, quantidade que caiu para 680 mil no ano passado, em razão de adversidades climáticas.

No município de Floresta, perto de Maringá, o produtor e cooperado Wilson Palaro está concluindo a colheita em 60 alqueires, com a média de 275 sacas, considerada boa para a região. Palaro cita que este ano a lavoura não enfrentou tantos problemas quanto em 2016 e, ele, a partir de agora, vai iniciar os preparativos para a semeadura de soja, temporada 2017/18. “O agricultor não para, tem que estar olhando sempre para a frente”, acrescenta.

SUSTENTÁVEL - Em 40 alqueires, Palaro cultivou o milho em consórcio com o capim braquiária. Incentivado pela Cocamar, ele faz parte de um número cada vez maior de produtores ligados à cooperativa que, após a colheita de soja, semeia o capim com o milho. Por isso é que, agora, a colheitadeira dele vai passando e deixando para trás um campo verdejante, que até serviria de pastagem. Mas o objetivo do produtor, ao fazer o consórcio, é outro: utilizar a braquiária para proteger o solo de palha durante o verão. Com isso, evita-se que a superfície receba a incidência direta do sol e fique livre, também, dos riscos da erosão. Para tanto, em setembro, o capim vai ser dessecado quimicamente. Outra vantagem é que, ao cobrir o solo, a camada de palha inibe naturalmente o surgimento de ervas daninhas.