Notícias

Voltar

Reunião sobre ILPF reúne autoridades em Cianorte

28.07.2017

Incentivado pela Cocamar, sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) é considerado a melhor alternativa para a recuperação dos pastos degradados do noroeste

A presença do governador Beto Richa está confirmada na manhã desta quinta-feira (27/7) em Cianorte, onde a Cocamar e a Secretaria Estadual de Agricultura e do Abastecimento (Seab) recepcionarão autoridades e lideranças municipais da região noroeste, para uma apresentação do programa de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF).

O evento será das 10 às 12h no Clube Morada do Sol e, entre os convidados, estarão prefeitos, secretários de Agricultura e lideranças de dezenas de municípios, bem como dirigentes de instituições de extensão e pesquisa.

PALESTRAS - Haverá duas palestras: uma com Luiz Lourenço, presidente do Conselho de Administração da Cocamar, e outra com o secretário de Agricultura e Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara. Ambos vão explanar sobre a ILPF como proposta que atende aos objetivos estaduais de incentivo a uma pecuária moderna e também ao Programa Integrado de Conservação de Solos e Águas (Prosolo).

RENDA REGIONAL - De acordo com Lourenço, a integração é a única alternativa para a recuperação dos pastos degradados no noroeste do Paraná, “oportunidade que não pode ser desperdiçada”, por potencializar a geração de renda regional. Grande parte das pastagens do noroeste encontra-se em um estágio de degradação que tende a inviabilizar a pecuária nos próximos anos, uma vez que os resultados atuais já são incipientes. Para se ter ideia, a produtividade bovina, em média, não passa de 3 arrobas de carne por alqueire, enquanto em sistemas de ILPF, essa média é superior a 20. “A pecuária extrativista, em que o proprietário não repõe nutrientes no solo, já não se sustenta. O que se observa é um completo esgotamento”, comenta o dirigente da cooperativa.

RECUPERAÇÃO - Inovadores e sustentáveis, os sistemas integrados já se estendem mais de 11,5 milhões de hectares no Brasil e têm avançado rapidamente em vários estados, entre os quais o Paraná, onde se introduz a cultura de soja na recuperação de pastos degradados, que passam a contar com alimentos para a pecuária no inverno. Para complementar, é feito o cultivo de eucaliptos em espaços intercalares nos pastos, possibilitando

conforto térmico aos animais e uma fonte adicional de renda, com a produção de madeira.

RESISTÊNCIA - No Paraná, uma das barreiras que tem dificultado o avanço da integração é a resistência dos pecuaristas, donos das propriedades, geralmente refratários a mudanças. Mas, em muitos lugares, eles têm formalizado parceria com agricultores, para o arrendamento temporário das terras.

BRAQUIÁRIA – A espinha dorsal da ILPF é o cultivo de capim braquiária, semeado logo após a colheita da soja, para garantir pasto de qualidade no inverno. Entre outros benefícios, a braquiária contribui para a reestruturação o solo, reciclando nutrientes. É dessecada quimicamente na primavera para proteger o solo com sua palha, durante o verão, para o plantio direto de soja.

DIMENSÃO - Atualmente, só na região da cooperativa, segundo dados de sua área técnica, há mais de 100 mil hectares mantidos com sistema integrados, dos quais 15% incluem o cultivo de soja. Em todo o Paraná, seriam ao menos 400 mil hectares, conforme informações da Rede de Fomento ILPF. Além da Cocamar, essa rede nacional é composta também por Embrapa, John Deere, Syngenta, Dow AgroScience e Parker. A Cocamar possui mais de uma centena de profissionais técnicos preparados para prestar orientação aos produtores e conta com unidades operacionais em regiões, no arenito, para incentivar a integração.