Notícias

Voltar

Descarga de soja e farelo por ferrovia no Porto de Paranaguá aumenta 182%

25.08.2017

No acumulado do ano, foram descarregadas 206,6 mil toneladas de grãos por trem, ante 73,3 mil toneladas no ano passado

A descarga de soja e farelo de soja por ferrovia aumentou 182% no corredor de exportação do Porto de Paranaguá (PR) de janeiro a agosto ante igual período de 2016, segundo nota divulgada pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa). Foram descarregadas, ao todo, 206,6 mil toneladas de grãos por trem no acumulado do ano, ante 73,3 mil toneladas no ano passado.

Apenas em julho chegaram ao corredor de exportação 1,76 mil vagões com 55 toneladas cada um, o que totaliza 96,8 mil toneladas, alta de 6.940% ante julho de 2016, de acordo com a APPA. O Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP) recebeu, entre janeiro e julho deste ano, 24.334 TEUs (unidade de medida equivalente a um contêiner de 20 pés) por ferrovia.

Segundo o diretor-presidente da APPA, Luiz Henrique Dividino, o aumento se deve a uma nova dinâmica na programação de descarga no corredor de exportação e no TCP, que passou a dar prioridade à ferrovia. "Investimentos que totalizam mais de R$ 600 milhões e incluem a compra de equipamentos como os novos tombadores de caminhões nos permitiram mudar a dinâmica de recebimento de cargas pelo modal ferroviário, apostando cada vez mais na intermodalidade", afirmou Dividino na nota.

Atualmente Paranaguá conta com 70 quilômetros de linhas férreas, sendo 7,5 quilômetros instalados no Corredor de Exportação do Porto. Na nota, o presidente da Ferroeste, João Vicente Bresolin Araújo, avaliou que com o aumento da capacidade de recebimento de vagões o porto está preparado para receber carga do projeto de expansão da ferrovia entre Cascavel (PR) e Dourados (MS) e do novo trecho entre Guarapuava e Paranaguá, a ser construído. "O Porto de Paranaguá movimenta anualmente 45 milhões de t de produtos por ano, sendo que apenas 20% deste total chega por ferrovia. O Porto de Santos, por exemplo, recebe 40% da sua carga por vagões", disse Araujo no comunicado.