Notícias

Voltar

Chefs do Campo - História da Gastronomia Regional

29.09.2017

As primeiras duas, de um total de 15 produtoras rurais semifinalistas do Festival de Sabores Chefs do Campo, promovido pela Cocamar Cooperativa Agroindustrial, foram visitadas na quarta-feira (20/9).

Terezinha Zito Cabelleira, de Doutor Camargo, e Ivone Servilheiro Gava, de Ivatuba, municípios da região de Maringá, inscreveram, respectivamente, batatas palitos ao forno e suflê de milho com arroz branco. O objetivo do festival é resgatar e valorizar as tradições culinárias das famílias de agricultores associados. Por meio da gastronomia, enriquecida pelas variações étnicas e culturais da população, é possível conhecer, também, um pouco mais da história do norte e do noroeste paranaenses.

Cooperada, Terezinha é esposa do cooperado Eduardo Cabelleira e eles mantêm uma propriedade onde produzem soja e milho, estando há muitos anos ligados à cooperativa. Diferente da maioria das mulheres do campo, ela conta que só começou a cozinhar depois de casada, pois a mãe nunca permitiu. Foi então que descobriu o gosto pela arte do forno e fogão, aprendendo tudo com facilidade. No entanto, seus pratos – que vão desde massas diversas e macarrão feito em casa – frutos das tradições italianas -, a assados em geral, doces de todo tipo, bolos, saladas e churrasco, resultam de lembranças vendo a mãe e a avó cozinharem e observações mais recentes, das últimas décadas.

O casal, que é de Mandaguari, está casado há 50 anos e há 40 vive em Doutor Camargo. Ela diz fazer questão de transmitir tudo o que sabe, sobre cozinha, às duas filhas e, também, às suas parentes e amigas. “Pra cozinhar, não precisa ter segredo, basta ter amor”, resume.

Esposa do cooperado Clésio Gava, Ivone é a primogênita de uma família de 9 irmãos e, por isso, explica que aprendeu ainda menina a cozinhar, ajudando a mãe na preparação da comida e, a exemplo de todos em casa, trabalhando na lavoura de café. A história da família de Ivone é semelhante a da do marido: quando chegaram a Ivatuba, praticamente só havia mato. “A gente dividia a água da bica com as onças”, sorri Clésio, produtor de soja e milho e integrante do conselho consultivo da Cocamar.

Ivone se recorda dos primeiros plantios de soja, cultura que substituiu o café na década de 1970, semeada usando uma plantadeira manual, a matraca, e colhida com facão. Apesar das dificuldades da vida no sítio naquela época, a alimentação era farta, segundo ela, com tudo praticamente produzido ali.

Um tempo em que macarrão era prato chique, servido só aos domingos, e refrigerante um luxo que se apreciava apenas no Natal, fazendo um pequeno furo na tampinha para durar mais. Hoje, Ivone sabe preparar de tudo um pouco na cozinha e também aproveitar frutos, hortaliças e carnes para a produção de conservas e embutidos. Ivone e Clésio estão casados há 40 anos e têm duas filhas.

Nesta segunda edição do Chefs do Campo, que teve 110 receitas inscritas, as visitas às 15 semifinalistas seguem até o dia 4 de outubro, quando serão conhecidas as 5 finalistas que, no dia 19 de outubro, serão premiadas pela diretoria da Cocamar com um almoço em Maringá.