Notícias

Voltar

Pecuarista deve aproveitar bom momento para investir na atividade

17.11.2017

Segunda etapa da vacinação do rebanho contra aftosa coincide com o início de um novo ciclo

Com a segunda etapa da campanha estadual de vacinação contra a aftosa, de 1º a 30 de novembro, o pecuarista deve aproveitar a oportunidade para investir no seu negócio, que atravessa um bom momento, depois dos problemas ocorridos no primeiro semestre.

O gerente comercial de pecuária da Cocamar, médico-veterinário João Ivo Lima, explica que a chegada dos meses quentes e das chuvas promove a rebrota dos pastos e dá início a um novo ciclo para a atividade. “A pecuária precisa ser conduzida com mentalidade empresarial, de maneira a oferecer o maior retorno possível.” Isso, segundo ele, depende do uso das melhores práticas, produtos e tecnologias, para atingir padrões e índices satisfatórios.

RECOMENDAÇÃO - A recomendação de Lima é que o produtor verifique, por exemplo, o estado das cercas e, se for o caso, realize melhorias. Em relação ao rebanho, ofereça nutrição adequada. E, já que vai vacinar o gado contra a aftosa, que faça também a prevenção de outra doença que igualmente exige cuidados: o carbúnculo. “Com o bom momento vivido pelo setor, volta o interesse do pecuarista em investir na atividade”, comenta.

Quanto à vacinação contra a aftosa, Lima ressalta que nesta segunda etapa estadual devem ser imunizados todos os animais, entre bovinos e bubalinos. Na primeira etapa, em maio, são vacinados animais com até 24 meses de idade. “A responsabilidade do produtor é muito grande. Ao vacinar o rebanho, ele está fazendo a sua parte no sentido de evitar que a enfermidade se instale no Estado, o que seria desastroso para a nossa pecuária”, afirma.

Na Cocamar, sensor ajuda a preservar a vacina

As doses de vacina contra aftosa perdem totalmente a eficácia se armazenadas a uma temperatura inferior ou que exceda a faixa entre 2ºC e 6ºC. Segundo especialistas, é preciso tomar cuidado não apenas com o manuseio na propriedade, mantendo-as em condições adequadas de refrigeração, como também adquirir o produto de empresas confiáveis.

A oscilação de energia elétrica pode ser um problema durante o armazenamento da vacina. Estoques inteiros se tornam inócuos se a energia for interrompida por algumas horas e o produto esquentar. Para evitar que isto aconteça, a Cocamar conta com sensores em seus equipamentos de refrigeração. Assim, se houver falha no fornecimento de energia, uma comunicação será enviada automaticamente ao profissional responsável pela sua guarda, que tomará providências.


Setor em evolução contínua

A comercialização de insumos agropecuários deve responder pelo faturamento de R$ 1,2 bilhão este ano, na Cocamar, contra R$ 1,050 bilhão no ano passado. A estimativa da gerência comercial de Insumos é que os itens pecuários totalizem por volta de R$ 110 milhões em negócios em 2017, frente aos R$ 103 milhões de 2016. São 55 lojas agropecuárias e os produtores têm, à sua disposição, uma equipe formada por oito médicos-veterinários e três zootecnistas.

O gerente comercial de Insumos, Geraldo Amarildo Ganaza, destaca “a variedade e a qualidade dos produtos oferecidos, o fato da cooperativa trabalhar com as marcas mais reconhecidas do mercado e também as condições especiais de negociação”, para destacar o crescimento contínuo das vendas nessa área.