Notícias

Voltar

Trigold premia produtividade de trigo

07.12.2017

A Cocamar e a companhia Syngenta realizaram na noite da última quinta-feira (30), em Londrina (PR), o evento Trigold para a premiação dos produtores que obtiveram as melhores médias de produtividade de trigo na safra 2017.

Uma solenidade realizada no auditório Milton Alcover, do Parque Internacional de Exposições Governador Ney Braga, reuniu representantes da cooperativa e da empresa, além de produtores convidados de diversas regiões.

Ao pronunciar-se, o gerente técnico da Cocamar, Renato Watanabe, destacou a importância de se promover esforços que incentivem o aumento da produtividade da cultura. Segundo ele, o trigo é fundamental para a receita dos produtores em vários municípios da região norte do Estado. No entanto, devido a problemas climáticos, a média de produtividade deste ano nas regiões atendidas pela cooperativa, foi de 96,2 sacas por alqueire, abaixo da média estadual de 102 sacas/alqueire. Já os participantes do programa Trigold, em que foi aplicada toda a tecnologia recomendada, registraram média de 138,7 sacas por alqueire, 61% a mais em comparação àquele primeiro número.

O segundo a falar foi o gerente de Marketing da Syngenta, Thomas Altmann. Em sua exposição, Altmann salientou que o trigo produzido no norte paranaense é superior, em produtividade e qualidade, na comparação com outras regiões do Sul do país. Em uma breve citação histórica, ele disse que o trigo foi a primeira cultura domesticada pelo homem, há dez mil anos, tendo o grão passado por melhoramento genético até ser disseminado em países pobres, na década de 1960, pelo pesquisador norte-americano Norman Borlaug. O pesquisador ajudou governos a enfrentarem o flagelo da fome, sendo distinguido, em 1970, com o Prêmio Nobel da Paz. “Há coisas que a campo não se consegue controlar, como o preço do produto. Porém, é possível produzir mais, e isto só depende do agricultor”, disse. Entre 2000 e 2017, o trigo cultivado no Brasil apresentou aumento de 12% na produtividade. Mesmo assim, o Brasil produz apenas 5 milhões de toneladas, menos da metade de sua demanda de 11 milhões de toneladas.

Na premiação do Trigold, o produtor Francisco Mateus, de Santa Cecília do Pavão, ficou em primeiro lugar, com média de 207 sacas por alqueire na área do concurso, e 178 sacas no geral. Mateus foi orientado pelo técnico Alan Augusto Donel, da Cocamar.

O segundo colocado, Vinícius Bovo Cortinove, de Apucarana, alcançou média de 206 sacas por alqueire. Ele foi assistido pelo irmão, o técnico da unidade local da cooperativa, Pedro Henrique Bovo Cortinove.