Notícias

Voltar

Preservando as tradições baianas

04.09.2018

Manuseando seus temperos, ela elabora pratos e quitutes que fazem a alegria da família e de muitos apreciadores em sua cidade

A receita da moqueca preparada à moda baiana pela produtora Vera Lúcia Santos, de Jussara, é uma fiel homenagem aos costumes culinários de sua terra natal, a Boa Terra, de onde ela foi trazida ainda pequena para o Paraná. Aqui, o trabalho e a vida na roça moldaram sua vida, trazendo muitos outros paladares e conhecimentos da mistura de vários povos, mas Vera nunca se desapegou de suas tradições.

Foi vendo a mãe e parentes lidando com as panelas que ela aprendeu e aprimorou os segredos da cozinha, fazendo desse território um reduto onde desenvolve a sua arte. E quando o assunto é comida baiana, não podem faltar o azeite de dendê, o óleo de coco e outros itens muito apreciados, que fazem a diferença, como o típico tempero baiano, a base de coentro, cominho e pimenta-do-reino, que manda vir de uma loja especializada em produtos do Nordeste, de São Paulo.

Zé Peixinho, seu marido, é de origem pernambucana e a família dele migrou em 1959 também para fazer a vida no Sul. Casados há 41 anos, ele e Vera têm dois filhos e vivem num pequeno sítio em Jussara, região de Cianorte, onde produzem grãos e criam frangos. Zé associou-se à Cocamar em 1980 e o filho José Aparecido é o mais novo cooperado da família, enquanto Vera, há muito tempo, participa do núcleo feminino mantido pela unidade local da cooperativa no município.

Com seu jeito alegre, simpático e prestativo, que combina bem com o do marido, Vera se tornou conhecida em Jussara também pelo talento no forno e fogão. Para deleite do pessoal, ela aceita encomendas e fornece baciadas de pamonha, bolos ( o de mandioca é o seu preferido), a famosa tapioca como poucos sabem fazer, assados e um variado cardápio de delícias baianas e da gastronomia brasileira em geral.

Sem precisar anotar as receitas, ela vai elaborando os pratos com esmero, incrível facilidade e algumas características que lhe são peculiares. Por exemplo: em sua comida, só utiliza banha de porco, recorre a temperos naturais e não aprecia massa de tomate ( que substitui por colorau). Aliás, parte de seus ingredientes está no próprio quintal, onde há porcos caipiras alimentados com milho, frangos mantidos em separado da granja, roça de mandioca, horta e pomar. E, mesmo conhecendo tanto em matéria de cozinha, a incansável Vera ainda costuma pesquisar novidades na internet, com aquela disposição de quem procura estar sempre se aprimorando.



MOQUECA À MODA BAIANA


INGREDIENTES

- 2kg de bacalhau, pintado ou salmão (evitar peixes que tenham muito espinho), cortados em pequenos pedaços; se optar por bacalhau, é preciso dessalgar;
- 3 pimentões ( um de cada cor: vermelho, amarelo e verde), cortados em pequenos pedaços;
- 1 cebola grande picada;
- 2 tomates picados (tirar as sementes);
- 3 dentes de alho;
- 1 garrafinha de ½ litro de leite de coco;
- Uma porção de camarões grandes;
- Tempero baiano (comprado em casas de produtos do Nordeste, à base de coentro, cominho e pimenta-do-reino);
- Sal a gosto;
- Uma pitada de colorau;
- Os ingredientes para o recheio, que dá volume ao prato, são: milho verde, azeitona sem caroço, ervilhas, cogumelos e uma garrafa de 100 ml de azeite de dendê.


MODO DE FAZER

- Os ingredientes devem ser cozidos numa panela em separado, com o tempero baiano; quando cozidos, retirar com escumadeira e reservar; deixe somente um pouco de ingredientes na panela, para adicionar o leite de coco;
- quando o leite de coco estiver fervendo, retorne com o peixe na panela, tampe e deixe por alguns minutos. Se for bacalhau, não é necessário mais que 10 minutos.
- Agora junte todos os ingredientes, inclusive o recheio, com o azeite de dendê.
- Salgue à gosto e não se esqueça de dar uma pitada de colorau;
- Para finalizar, coloque tudo numa travessa, cubra com papel alumínio e leve ao forno por mais alguns minutos.

A moqueca pode ser acompanhada de arroz branco, pirão de peixe e farinha de mandioca.