Notícias

Voltar

Com tempo firme, produtores aceleram semeadura de soja

22.10.2018

Com o sábado e o domingo ensolarados, após mais uma semana chuvosa, a semeadura da soja ganhou impulso na região da Cocamar. Na quinta-feira (18), o Rally Cocamar de Produtividade percorreu municípios da região norte do Estado, onde visitou lavouras e conversou com produtores.

Com o patrocínio máster da Spraytec, Basf e Ford Center, o Rally é patrocinado também por TRR Cocamar, Texaco Lubrificantes, Sancor Seguros, Sicredi, Agrosafra e Estratégia Ambiental e tem o apoio da Unicampo, Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb) e Aprosoja-PR.

CHUVA - Diferente do dia anterior, quando esteve em três municípios (Ourizona, São Jorge do Ivaí e Ivatuba) localizados no entorno de Maringá, onde constatou que a operação já praticamente terminou ou se encaminha para o final, no norte o serviço ainda seguia devagar.

EM TEMPO - Em Alvorada do Sul, a equipe do Rally – que foi acompanhada pela RIT TV de Londrina - conversou na unidade da Cocamar com os cooperados Eduardo Martini e Eugênio Miguel. O primeiro já havia semeado 15% de suas terras e, o segundo, nem um grão ainda. “Não existe motivo para preocupação, por enquanto, aqui até 15 de novembro está bom para plantar”, afirmou Martini, que diz precisar de mais uns dez dias de tempo favorável para concluir a operação. Para estruturar o solo, ele começou a investir em braquiária na entressafra, orientado pela cooperativa, na busca por aumento de produtividade. “O desafio regional é impulsionar as médias, que estão estagnadas”, lembra o produtor, que tem alcançado cerca de 150 sacas/alqueire (61,9/hectare). No município, a média varia entre 120 e 130 sacas/alqueire (49,5 a 53,7/hectare). Já Miguel tem conseguido 145 sacas/alqueire (59,9/hectare).

DA CANA PARA A SOJA - No mesmo município, o cooperado Murilo Correia Franco começava a semear mais um talhão no final

da manhã do dia 18, utilizando sementes Cocamar. Dos 217 alqueires (525 hectares), 30 estavam semeados. Desde 2013, ele

começou a converter áreas de cana para a cultura de soja, investindo na correção do solo. Orientado pela Cocamar, Franco tem reduzido a quantidade de sementes por metro linear, ampliando assim o espaçamento entre as plantas de 45 para 50 cm, o que possibilita maior engalhamento. “A germinação das primeiras lavouras tem sido muito boa e uniforme”, afirmou Franco, cuja média de produtividade oscila entre 145 e 150 sacas/alqueire (59,9 a 61,9/hectare).

ACELERANDO – No sábado e no domingo, as plantadeiras voltaram a trabalhar em Alvorada do Sul. “Havia mais de 15 dias que os produtores tentavam semear, para aproveitar o clima favorável ao desenvolvimento da lavoura, mas não avançavam justamente por causa das chuvas”, explicou o engenheiro agrônomo Lucas Pastre Dill, da unidade local da Cocamar.


Operação precisa ser bem feita

Apenas 25% da área de soja haviam sido semeados até quinta-feira em Primeiro de Maio, quando a expectativa era de 50% para esta época, segundo dados da unidade local da Cocamar. Os trabalhos começaram dia 25 de setembro e não avançavam porque vinha chovendo seguidamente. No próprio dia 18, em que o Rally passou pelo município, o solo apresentava muita umidade e, à tarde, voltou a chover forte.

A FAVOR - Menos ruim para quem já possui lavouras em desenvolvimento, caso dos irmãos Paulo e Cleber Tonin, que se beneficiam das chuvas. Grande parte dos seus 37 alqueires (89,5 hectares) já está semeada (o primeiro lote ficou pronto já no dia 7/10) em área onde a Cocamar orientou na correção do solo, por meio do engenheiro agrônomo Lucas Colabone Siqueira. Os Tonin fizeram análise de solo e corrigiram com a incorporação de 4 toneladas de calcário calcítico.

SEMENTES - Eles se mostram animados com a qualidade das sementes produzidas pela cooperativa, que passam por tratamento industrial com micronutrientes, inseticida e fungicida. O agrônomo lembra que 70% dos custos do produtor estão concentrados na semeadura, “por isso é necessário caprichar no serviço para ter um bom começo e explorar todo o potencial produtivo da lavoura”.

ATRASO - Em Sertanópolis e no distrito de Warta (município de Londrina), os trabalhos também estavam bastante atrasados na quinta-feira. No primeiro, só 40% haviam sido concluídos, ante uma previsão de 70% nesta época; no segundo, 30%, metade do esperado para o período, segundo dados do gerente das duas unidades, Paulo César Damião.