Notícias

Voltar

Ambiente é propício para propagação da ferrugem

21.11.2018

Em visita à Embrapa na tarde de terça-feira (20) em Londrina, a equipe do Rally Cocamar de Produtividade ouviu do pesquisador Rafael Moreira Soares que a ferrugem asiática, a doença mais preocupante da cultura da soja, tem encontrado um ambiente propício para propagar-se nesta safra. O próprio fato de a lavoura ter sido semeada mais cedo este ano, antecipa a incidência da enfermidade.

OCORRÊNCIAS - Segundo Soares, as chuvas que favorecem o desenvolvimento da planta, e têm sido regulares desde a semeadura, são o fator determinante para a expansão da doença, uma vez que a soma de umidade constante e a temperatura apropriada vem fazendo com que o número de ocorrências aumente rapidamente. Eram só três casos no Paraná até duas semanas atrás, contra os 14 até terça-feira, sem considerar os já registrados no Estado de São Paulo e também no Mato Grosso do Sul. A orientação de Soares é que os produtores sejam ainda mais cuidadosos em relação ao monitoramento.

O Rally conta com o patrocínio máster das empresas Ford Center, Spraytec e Basf, o patrocínio institucional da Estratégia Ambiental, Agrosafra Retífica de Motores, Sancor Seguros, Sicredi, Texaco Ambiental e Cocamar TRR, com o apoio da Unicampo, Cesb e Aprosoja-PR.

NA TV - No domingo (25), o programa RIC Rural, apresentado a partir das 9h na RIC TV (Record), apresenta uma reportagem especial sobre a semana do Rally, que também foi conferir de perto lavouras de soja da região de Maringá.

EPIDEMIA - Ainda na Embrapa, o diretor geral da instituição, José Renato Farias, foi mais incisivo ao portal Notícias Agrícolas. Farias explica que essa doença, extremamente agressiva, cria um cenário preocupante já que o fungo muda de maneira rápida, se adapta e passar a ser resistente. Uma epidemia, contudo, está à beira de ocorrer, já que muitas formulações têm perdido a resistência.

Farias avalia que a antecipação da semeadura, que iniciou em setembro em algumas regiões e se estende até dezembro, pode ser um problema capaz de disseminar a doença, já que a extensão de tempo de plantio pode aumentar a multiplicação do fungo e a seleção dos organismos mais resistentes.

A Embrapa orienta que a janela não seja tão extensa também por conta da ponte verde, que fica prolongada com esse tipo de plantio.