Notícias

Voltar

Wellington Ferreira: “Seremos do tamanho dos nossos sonhos”

01.04.2019

Recentemente a Câmara Municipal de Maringá (PR) prestou homenagem ao presidente da Sicredi União PR/SP, Wellington Ferreira. Concedeu a ele o honroso título de cidadania benemérita, reservado a personalidades que se sobressaem na cidade por seus méritos e iniciativas.

Nascido em Minas Gerais, Wellington está entre aqueles cuja trajetória faz a diferença na vida de dezenas de milhares de pessoas, entre associados e colaboradores, e na economia de uma centena de municípios do Paraná e de São Paulo.

UMA LUTA - Tudo começou pela superação de um desafio espinhoso, enorme, desgastante e que lhe custou, com certeza, muitas noites sem dormir. Há pouco mais de duas décadas, em 1997, era ele conselheiro de uma cooperativa de crédito que passava por dificuldades e corria o risco de ser liquidada. Com a saída do presidente, Wellington foi o único naquele pequeno grupo que se dispôs a assumir o cargo, na verdade uma batata quente. Era preciso encontrar meios de garantir sobrevida à cooperativa: para isso, teria que preparar-se para enfrentar longos períodos de negociação e, ao mesmo tempo, fazer com que sua equipe, bem como os associados, fossem motivados a continuar, na expectativa de que a situação seria revertida.

CONFIANÇA - A primeira coisa que Wellington soube conquistar ao seu redor foi confiança, um ativo sem o qual nada teria sido possível. Ele se reunia com as pessoas e, convicto, dizia: “nós vamos conseguir”. Construiu assim um necessário sentimento positivo - e proativo - que foi ganhando força, sabendo que seria apenas o começo de uma luta sem tréguas. Combalida, a instituição praticamente já não tinha patrimônio líquido: se fosse uma pessoa, estaria desidratada e frágil. Na função de presidente, Wellington, não raro, teve que colocar os próprios bens em garantia para conseguir recursos junto ao mercado e manter a cooperativa funcionando.

CORAGEM - Quem teria peito de apostar todas as suas fichas em uma cooperativa em dificuldades, numa época em que o sistema
cooperativo de crédito ainda era pouquíssimo conhecido no Brasil? E mais: tudo bem que o Plano Real havia estabilizado a economia em 1994, mas o país não deixava de ser imprevisível, com uma economia repleta de percalços. Se nessa mesma época até mesmo grandes e poderosos bancos iam à bancarrota, o que esperar de uma modesta cooperativa de crédito sediada em Maringá? A resposta Wellington trazia na ponta da língua: “futuro”.

FORÇAS – Incansável, o presidente foi aglutinando forças, perseverou, seguiu firme em sua empreitada e, com o passar dos anos, comemorou a colheita dos primeiros frutos. A instituição já caminhava pelas próprias pernas, sem o risco de fechar. Seu discurso agora era elevado a um novo patamar: “Seremos do tamanho dos nossos sonhos”.

MASCULATURA - Antes restrita ao público rural, a cooperativa abraçou todos os outros segmentos, ganhou fôlego e, quando se viu, exibia musculatura, abrindo agências em pontos estratégicos da cidade e também em municípios da região, com números crescentes.

POTENCIAL - Aliás, as mais impressionantes taxas chinesas de crescimento ficam na poeira quando comparadas às do cooperativismo de crédito brasileiro, que detém ainda menos de 5% do sistema financeiro do país e tem pela frente um enorme potencial para continuar se expandindo.

A MAIOR - Com Wellington no comando, a Credimar passou a Sicredi Maringá e ganhou o nome de Sicredi União depois de absorver outras cooperativas paranaenses, e se tornou Sicredi União PR/SP ao avançar também para a região centro-leste do Estado de São Paulo. Se em 1997 só havia uma estrutura modesta e a confiança num futuro que nem todos conseguiam enxergar, hoje a cooperativa é sinônimo de grandeza, solidez e referência por suas conquistas e bons serviços. Sediada em Maringá, já é a maior do sistema Sicredi no Brasil.

Por isso, ao conferir um título de cidadania benemérita a esse brilhante dirigente cooperativista, a Câmara, em nome dos maringaenses, fez a sua parte. É justo. Mas Wellington transcende a figura de uma liderança cooperativista comum: pela sua história e espírito empreendedor, é protagonista dos mais atuantes e reconhecidos em um movimento em que se está conseguindo mudar, para bem melhor, o próprio sistema financeiro nacional. Comprometido com o desenvolvimento econômico das regiões onde atua, o cooperativismo mostra ser o caminho para o crescimento sustentável, em que seus membros participam diretamente.

O mineiro Wellington é um ilustre cidadão maringaense que orgulha e dignifica a sua terra. E que, em seus discursos, costuma reproduzir a frase emblemática, sempre vislumbrando adiante: “Seremos do tamanho dos nossos sonhos”.

(Rogério Recco)