Notícias

Voltar

Chuva destrava o plantio de soja

30.09.2019

As chuvas que começaram a cair na sexta-feira (20), mesmo em pequena quantidade, não apenas deram uma trégua na estiagem como possibilitaram que o plantio de soja começasse, enfim, na região de Maringá.

NA POEIRA - Nos municípios de Floresta e Ivatuba, onde a maior parte dos produtores tem o costume de semear mais cedo, as plantadeiras foram a campo com mais intensidade nesta semana, no intervalo de uma precipitação e outra. Com a informação da meteorologia de que poderia haver umidade na sexta-feira, alguns produtores arriscaram, na véspera, a “plantar na poeira”, como eles dizem. Em resumo, segundo o gerente Márcio Sartori, que responde pelas unidades da Cocamar em ambos os municípios, 5% da área estimada em Floresta já foram plantados, enquanto em Ivatuba o percentual é bem menor.

PRECISA MAIS - “A preocupação agora, para aqueles que já plantaram, é que falte chuva nos próximos dias”, comenta Sartori, assinalando que quem ainda não colocou as plantadeiras para trabalhar, a demora pode impactar no cultivo da safra subsequente, de milho de inverno. Quanto mais cedo o milho foi plantado, menos riscos a cultura enfrentará no inverno.

POUCO - Em São Jorge do Ivaí, outra importante região produtora, as chuvas decepcionaram. “Foram só 8 milímetros na minha propriedade, não deu nem para baixar a poeira”, reclama o cooperado Moacir Fala. Ele diz estar na torcida para que as precipitações não demorem tanto.

DESSECANDO - Em Ibiporã, próximo a Londrina, o produtor Júnior Tsuruda aproveitou as chuvas para fazer a dessecação da aveia, projetando iniciar o plantio em 5 de outubro. “Tomara que tenhamos um ano melhor que o da safra passada”, frisa. “Precisamos de pelo menos uns 50 milímetros, e que seja uma chuva mansa.”

IRRIGANDO, DÁ - Só mesmo quem possui irrigação não se preocupa tanto com as variações climáticas. Em Bela Vista do Paraíso, também no norte do estado, o pivô central tem garantido a umidade para o plantio, mas os produtores querem, mesmo, é água em abundância, caindo do céu, mas que não seja tudo de uma vez. “Estamos na expectativa” , afirma o produtor Antonio Aparecido dos Reis.