Notícias

Voltar

Alunos aprendem a fazer um mundo sustentável

26.11.2019

As meninas Brenda e Maria Eduarda, ambas com 10 anos de idade, tiveram uma semana diferente e movimentada, como tantas outras crianças que cursam o ensino fundamental na Escola Municipal Messias Barbosa Ferreira em Floresta, município vizinho a Maringá.

EXPOSIÇÃO - Na quarta e quinta-feira (dias 20 e 21/11), foi promovida ali a Exposição Cultural 2019 com a participação de alunos do 1º ao 5º ano em que foi abordado um tema instigante: sustentabilidade, em diferentes formas. Uma maneira de fixar ainda mais o aprendizado e, por tabela, chamar a atenção da comunidade para o fato de que o futuro do planeta depende da atitude consciente de cada um.

COOPERJOVEM - Dos cerca de 500 estudantes da escola, 98 fazem parte do Cooperjovem, um programa mantido há vários anos em parceria com a Cocamar, que mostra a importância de cooperar, de unir esforços para que todos alcancem o objetivo comum. A cooperativa contribuiu com materiais para a exposição.

EM PRÁTICA - Orientados por professores e com a ajuda de familiares, os estudantes da faixa etária de 6 a 12 anos colocaram em prática o que aprenderam sobre reciclagem e separação de lixo, entre vários outros itens que tiveram a oportunidade de estudar em sala de aula com professores, palestrante, assistindo vídeos e preparando trabalhos. Eles estavam prontos para dar explicações aos visitantes.

MOTIVAR - Falando com orgulho da criançada, a diretora Márcia Beatriz Baqueta Guedes apresentava as salas nas quais a exposição era subdividida: “Basta motivar os alunos para que o resultado vá além das expectativas”.

CONSCIÊNCIA - Em uma das salas, crianças explicavam que é preciso ter consciência em relação ao uso abusivo de sacolas plásticas de supermercado, assim como de canudos e copos descartáveis, que demoram anos para se decompor. No mundo, são milhões de unidades lançados fora a cada dia que, invariavelmente, acabam indo parar no meio ambiente. Os plásticos

estão entre os vilões, poluindo mananciais e mares e prejudicando a fauna.“Se não der para reutilizar, recuse”, estampava um cartaz.

Dando o exemplo, mães de alunos confeccionaram sacolas com materiais recicláveis, e a própria Cocamar fez a doação de uma quantidade de sacolas ecologicamente corretas, para distribuição ao público.

PAPÉIS - Em outra sala, um grupo de alunos se divertia explorando os temas reciclagem do lixo e coleta seletiva. Recorrendo a um liquidificador, água e cola, alguns deles mostravam que o processamento de diferentes tipos de papéis dá origem a um novo, o qual, após secar, pode ser utilizado de diversas maneiras (na própria escola, por exemplo, servindo de cartaz). Além do papel, na coleta seletiva são separados vidro, metal, plástico e orgânicos, visando o seu reaproveitamento.

ARTE - Compostagem e meio ambiente eram as temáticas de outra turma. Os alunos se surpreenderam ao ver que até roupas, brinquedos e ornamentos podem ser produzidos com materiais recicláveis, incluindo pneus velhos. A arte foi destaque, ainda, entre a equipe que tratou de garrafas PET, fazendo originar uma série de itens com as embalagens desse tipo de material.

ÓLEO E EMBALAGENS - Na sala onde estavam Brenda e Maria Eduarda, citadas no início do texto, que tiveram também a companhia de Giovana e Nicoly, ambas também de 10 anos (e que não estavam ali no momento da reportagem). Seus trabalhos tiveram como objetivo apresentar a reciclagem de óleo de cozinha e papel, bem como de embalagens vazias de comprimidos. Com o óleo, que não deve ser lançado na rede de esgoto, é possível produzir diversos itens, como resinas para tintas, sabão, detergente, glicerina, ração para animais e até biodiesel. Quanto às embalagens de remédios, o destino deve ser a coleta seletiva de resíduos recicláveis. O mesmo vale para frascos e outras embalagens.

COMPROMETIDOS - Com isso, as meninas e todos os demais alunos da escola mostraram que, se depender deles, teremos uma sociedade mais consciente e comprometida.