Notícias

Voltar

Apesar das quebras de safras, sobras surpreendem cooperados da Cocamar

14.12.2019

O ano de 2019 foi desafiador para as empresas e cooperativas do agronegócio paranaense em razão da forte quebra das safras de verão e inverno. Nas regiões atendidas pela Cocamar, por exemplo, as altas temperaturas potencializaram os efeitos da falta de chuvas no final de 2018 e início de 2019, época crítica para a soja, que apresentou diminuição da produtividade de 40% em média.

O impacto do clima, de praticamente R$ 800 milhões na previsão de faturamento da Cocamar, obrigou a cooperativa a rever investimentos, realizar um forte contingenciamento de despesas e desdobrar-se na busca por alternativas para que os resultados do exercício fossem mantidos.

Os esforços valeram a pena. Com uma gestão profissional, que conta com a confiança dos cooperados, na sexta-feira (13/12), a poucos dias do Natal, a cooperativa surpreendeu ao anunciar sobras em valores superiores, por produto, aos distribuídos no exercício anterior.

QUANTO - Se em 2018 foi efetuado um complemento de preços de R$ 1,70 por saca de 60kg de soja entregue na Cocamar, desta vez o cooperado terá direito a R$ 2,00/saca. Em relação ao milho e o trigo, os valores que no ano passado foram de R$ 0,30 por saca, desta vez subiram para R$ 0,50. Para quem entregou sua safra de café na cooperativa e em 2018 recebeu R$ 2,50 por saca, agora vai embolsar R$ 6,00 para cada saca depositada. Por fim, os produtores de laranja também terão um complemento de R$ 0,15 para cada caixa de 40,8 quilos.

As sobras são um retorno de resultado ao cooperado, previsto na finalidade da cooperativa, que existe para fazer com que ele ganhe mais dinheiro com o seu negócio. Quando a Cocamar divulgou o quanto seria distribuído por produto, após decisão do Conselho de Administração, durante reunião em que participaram também integrantes dos conselhos Fiscal e Consultivo, muitos desses últimos, que aguardavam pela informação de quanto seria o rateio, foram agradavelmente surpreendidos.

Fácil avaliar o que isto representa. Um pequeno proprietário que cultiva 10 alqueires de soja no verão e a mesma área com milho no inverno, e tiver uma produtividade de, respectivamente, 120 e 240 sacas por alqueire, entregues na cooperativa, vai receber um cheque de R$ 3.600,00 para garantir a sua festa de Natal, quitar um compromisso ou fazer um investimento. É como se ele fosse agraciado com um adicional correspondente a 45 sacas de soja cotadas a R$ 80 a unidade.

DIFERENCIAL - A distribuição de sobras, realizada proporcionalmente na medida de participação do cooperado , é um diferencial da Cocamar. Se fosse uma empresa comercial comum, os recursos ficariam com os seus acionistas ou proprietários. Mas, por tratar-se de uma cooperativa, eles são pulverizados para atender às necessidades dos cooperados e, em circulação, vão aquecer a economia nos municípios onde os produtores residem.

Em resumo, quanto mais o cooperado movimentou na Cocamar, durante o ano, maior é a sua sobra.