Notícias

Voltar

Relação de troca favorável agiliza negócios com insumos

06.05.2020

Momento do país cria oportunidade para antecipação de compras que possibilitam ao produtor se resguardar de possíveis gargalos

O produtor de soja tem a chance de garantir desde já a sua rentabilidade na próxima safra de verão.

Conspiram a favor dele fatores como as incertezas causadas pela instabilidade da economia em razão da pandemia do novo coronavírus e o atual momento político do país, que puxaram para cima a cotação do dólar frente a moeda brasileira. Isto tudo acabou criando o cenário ideal para que o produtor de soja antecipe com vantagens a aquisição de insumos para o ciclo 2020/21.

“A relação de troca entre o preço da soja versus custos dos insumos é muito benéfica neste momento para o produtor”, afirma Geraldo Amarildo Ganaza, gerente de Negócios Insumos da Cocamar Cooperativa Agroindustrial.

Embora a poeira com a colheita da safra 2019/20 ainda nem tenha baixado e os preparativos para a próxima temporada comecem apenas em agosto, as compras - que normalmente iniciam em meados de maio -, foram impulsionadas na última semana de abril. A Cocamar deu início à sua campanha anual de vendas para o período de verão em 28/4 e prevê encerrá-la com montante recorde em 15/5.

Ganaza explica que o fator cambial elevou a cotação da soja em cerca de 25% nas últimas semanas, enquanto os preços dos principais insumos (fertilizantes, sementes e defensivos) tiveram um reajuste de 6%. “O produtor precisa aproveitar o momento, a relação de troca é uma das melhores dos últimos anos”, diz, lembrando que “este não é um ano para ficar com o negócio descasado e nem tentar acertar o olho da mosca”. Na visão do executivo, a estratégia mais adequada é garantir o custo de produção e se resguardar de possíveis gargalos.

“A gente não imagina o que pode acontecer nos próximos meses”, pontua Ganaza, citando como exemplo o fato de que 95% dos fertilizantes vêm de fora e grande parte do produto ainda não foi internalizada. Por outro lado, pode haver problemas de operacionalização e de altas nas preços de itens como os defensivos. O que o mercado já sabe muito bem, ressalta, é que o fornecimento de sementes foi comprometido pela quebra de safra no Rio Grande do Sul. “A Cocamar tem a sua Unidade de Beneficiamento de Sementes que atende aos cooperados, mas muitas cultivares que vêm do Sul vão faltar neste ano.”

O gerente insiste que os produtores não deixem para comprar os insumos mais para a frente, pois eles têm diante de si a chance de travar custos e garantir a sua margem. E completa dizendo que o estoque de produtos da cooperativa foi precificado em níveis abaixo dos valores de reposição, um benefício assegurado ao produtor somente enquanto durar a campanha.