Notícias

Voltar

Boas práticas ajudam produtor a inibir a buva

13.10.2020

Cuidar do solo e, ao mesmo tempo, impedir o desenvolvimento de ervas de difícil controle, como a buva. É assim, apostando na sustentabilidade, que um jovem produtor de grãos de Maringá (PR) vem conduzindo a sua lavoura. O Rally Cocamar de Produtividade foi ver isso de perto.

Afeta a produtividade - Diferente de outros produtores, para os quais a buva se tornou um desafio, Cleber Veroneze mantém os seus campos praticamente livres da praga, que, durante o ciclo de 24 meses, pode emitir cerca de 150 mil sementes - das quais ao menos 80% viáveis -, causando forte impacto na produtividade da soja se não for controlada de forma adequada.

Consórcio milho x braquiária - Há anos, o manejo das ervas é realizado de uma maneira relativamente simples por meio do consórcio milho de inverno x braquiária, sob a orientação da Cocamar. Entre outros benefícios, a braquiária produz uma espessa massa verde sobre o solo que, depois de dessecada para o plantio direto da soja, forma um cobertor que protege a superfície e inibe o surgimento de ervas. Segundo Veroneze, foram necessários cinco anos de consórcio milho x braquiária para chegar à situação atual de relativa tranquilidade, sendo que o investimento sai barato, não mais que 10% em comparação aos custos do controle químico.

Controle químico - Além disso, considerando que a buva é uma cultura de inverno, o controle químico da mesma deve começar durante o consórcio milho x braquiária, utilizando atrazina - um dos herbicidas mais recomendados - na pré-emergência da lavoura.

Rotação - Veroneze faz também uma saudável rotação em 25% de suas áreas com uma mistura de sementes que beneficia o solo e praticamente impede a disseminação da buva e demais ervas, composta por aveia branca, aveia preta, nabo pé-de-pato, nabo forrageiro e centeio.

Aumento de produtividade - “Eu aplico calcário e faço a adubação na área de rotação pensando no sistema”, explica o produtor, informando que na safra passada conseguiu colher 7,8 sacas a mais por hectare (19 na medida por alqueire) na área que havia sido rotacionada em comparação à média da propriedade. A prática, diz Veroneze, custa cerca de 50% no comparativo com o tratamento químico.

Planejar - “Se ficar uma única planta de buva por metro quadrado, o produtor de soja vai ter uma perda de produtividade de 10 a 20%”, pontua o engenheiro agrônomo Rafael Franciscatti, representante técnico de vendas (RTV) da Basf, uma das principais patrocinadoras do Rally. “A gente vê produtores fazendo várias aplicações e correndo atrás de um manejo adequado, mas perdendo o tempo das aplicações”, cita. “É imprescindível planejar o manejo da buva, que precisa ser controlada durante o inverno com uma dose robusta de herbicida, como a atrazina, além de uma boa cobertura de solo, caso da braquiária.’

Controlar antes da semeadura da soja - Segundo Franciscatti, a buva vem apresentando resistência a quatro mecanismos de ação. Por isso, “o produtor precisa sair do tradicional e buscar novas maneiras de controlar a erva, fazendo isso antes da semeadura da soja. Após a emergência da soja, o manejo é impraticável”.

Sobre o Rally Cocamar de Produtividade

Além da Basf, patrocinam a edição 2020/21 do Rally Cocamar de Produtividade: Fairfax Brasil Seguros Corporativos, Viridian Fertilizantes, Sicredi União PR/SP e Zacarias Chevrolet (principais), Texaco Lubrificantes, Estratégia Ambiental, Cocamar Máquinas, Cocamar Irrigação, Nutrição Cocamar e Zoetis (institucionais), com o apoio do Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb), Aprosoja-PR e cooperativa de serviços de agronomia Unicampo.