Notícias

Voltar

Uma nova fronteira agrícola no noroeste

10.11.2020

No extremo noroeste paranaense, às margens do Rio Paraná, o extenso município de Querência do Norte, com mais de 900 mil quilômetros quadrados de território, se destaca principalmente pela exuberância de sua natureza. Tradicional produtor de arroz irrigado, é a principal referência no cultivo desse cereal no estado.

Soja - A pecuária, com mais de 60 mil hectares em pastagens, e a mandioca, que se estende por 3,5 mil, também são importantes na economia, mas de duas décadas para cá a soja tem avançado rapidamente na região. Segundo estimativas da Cocamar, baseada em dados municipais, a oleaginosa já ocupa aproximadamente 20 mil hectares.

Transformação - O município é um retrato da transformação econômica por que vem passando o arenito caiuá e mesmo com reduzido teor de argila – ao redor de 15% -, seu solo não dificulta a expansão da soja, que ocorre sob a adoção de práticas sustentáveis e sem interferir no meio ambiente.

Santa Fé - É o que se pode ver na Fazenda Santa Fé, de 2,4 mil hectares, adquirida em 2003 pela família Peres, de Terra Boa, e que foi visitada no dia 3 pelo Rally Cocamar de Produtividade. A exemplo dos Peres, 80% dos produtores do grão no município vieram de outras regiões do Paraná em busca de terras mais baratas para adquirir ou arrendar, fazendo de Querência do Norte e imediações uma nova fronteira agrícola.

Oportunidades - O engenheiro agrônomo Rubens Adriano da Silva, da unidade local da Cocamar, explica que as terras de Querência do Norte têm acompanhado, de alguma forma, a valorização que se observou nos imóveis rurais neste e nos últimos anos, como efeito da boa fase do agronegócio. No entanto, quando se compara com outras regiões do estado, ainda são relativamente acessíveis, havendo muitas oportunidades.

Interessados - “Todas as semanas somos contatados por produtores de outras regiões, interessados em comprar ou arrendar terras por aqui”, afirma. Com a venda de um hectare em Maringá, a 205 quilômetros, é possível adquirir pelo menos três hectares no município.

Números - Na Santa Fé, 1,137 hectares são destinados aos cultivos de soja e milho, respectivamente nos períodos de verão e inverno, há 193 de pastagens e 1,210 de áreas de RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural), mantida para preservar a diversidade biológica.

Semeadura - O Rally foi recebido pelo engenheiro agrônomo Thiago Peres, 24 anos, filho de Valter Peres, o Valtinho, um dos sócios da propriedade. Em companhia do administrador Paulo Mello, de 48, Thiago supervisionava a semeadura da soja, já na reta final.

Recomendações - Thiago confirma que não há receio em cultivar o solo arenoso, desde que, entre outras medidas, pensando na sustentabilidade, se faça a devida proteção da superfície com palha, para o plantio direto, e sejam seguidas as recomendações agronômicas.

Palhada - No ano passado, segundo Thiago, a palhada fez a diferença durante um período de estiagem ao manter por mais tempo a umidade e reduzir os efeitos da falta de chuvas. Quem não se precaveu, teve perdas.

Aprendizado - O jovem, que se graduou há dois anos, diz que “iniciar a carreira de agrônomo com um trabalho assim é gratificante, pois a fazenda, com suas características, oferece um importante aprendizado”.

Médias - O desafio é incorporar tecnologias para o constante aumento da produtividade. A média da soja, nos últimos anos, tem ficado ao redor de 58 sacas por hectare; a do milho, 90 sacas.

Potencial - Trabalhando há dez anos na propriedade, o administrador Paulo confirma que a região, com sua topografia plana, apresenta grande potencial para o desenvolvimento de uma moderna atividade agropecuária, sem impactar no meio ambiente.

Biodiversidade - As extensas e exuberantes áreas verdes, dentre as quais as que margeiam o Rio Paraná, emoldurando a fazenda, são povoadas por variadas espécies de aves, mamíferos e répteis, o que torna o local ainda mais bonito e interessante.

Estrutura - Para apoiar os produtores, a Cocamar conta com uma ampla estrutura de recebimento de grãos em Querência do Norte, além de uma unidade de atendimento e comercialização de insumos agropecuários.

Uma troca vantajosa - Valdomiro Peres Júnior, o Carneirinho, irmão de Valter e um dos sócios da Fazenda Santa Fé, conta que em 2003 eles decidiram se desfazer de uma fazenda bem localizada em Mamborê, próximo a Campo Mourão, onde predominam as valorizadas terras roxas, para investir no município do extremo noroeste paranaense.

Investir - “Nós já tínhamos experiência em lidar com terras arenosas e ao ficar sabendo que havia boas oportunidades de negócios em Querência do Norte, não tivemos dúvidas em direcionar nossos investimentos para lá”, afirma.

Expansão - Proporcionalmente, com o valor da venda da propriedade em Mamborê, eles compraram uma área de terras sete vezes maior no município de Querência do Norte, onde a cultura da soja estava apenas começando. “Logo depois entrou a soja transgênica, o que nos ajudou bastante no controle de ervas daninhas”, completa Carneirinho, que é integrante do Conselho de Administração da Cocamar.

Agrônomos - Os Peres são uma família de engenheiros agrônomos. A Agroperes, empresa que congrega três propriedades rurais – uma em Terra Boa, onde fica a sua sede, e duas em Querência do Norte – conta, além de Valtinho, atual prefeito de Terra Boa, com a participação de seus irmãos Valdomiro, o Carneirinho, e Abelardo, o único que abraçou a profissão do pai: é médico no interior de São Paulo.

Gerações - A exemplo de Thiago, Valtinho e Carneirinho cursaram agronomia e Pedro, 22 anos, filho desse último, segue o mesmo caminho, prestes a concluir a faculdade, mas já ajuda na gestão dos negócios.

Pioneiro - O patriarca da família, o falecido médico Valdomiro Peres, foi pioneiro e fez história como desbravador em Terra Boa, região onde ingressaria também na atividade rural. Durante o longo período em que se dedicou à medicina na cidade e região, Peres teria participado diretamente de mais de 15 mil partos.

O Rally - Patrocinam a 6a edição do Rally Cocamar de Produtividade as seguintes empresas: Basf, Fairfax Seguros Corporativos, Viridian Fertilizantes, Sicredi União PR/SP e Zacarias Chevrolet (principais), Texaco Lubrificantes, Estratégia Ambiental, Zoetis, Nutrição Cocamar, Cocamar Irrigação e Cocamar Máquinas (institucionais), com o apoio do Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb), Aprosoja/PR e Unicampo.