Notícias

Voltar

Série sobre agricultura de precisão é destaque

15.02.2021

A gestão da produção agrícola, apoiada por uma vasta oferta de tecnologias, tem mostrado ser o melhor caminho para garantir a segurança alimentar para uma população global que, nos próximos 30 anos, será muito maior.

Produzir mais na mesma área - Essa enorme demanda por alimentos terá que ser atendida utilizando praticamente o mesmo espaço agrícola atual, uma vez que a oferta de terras para expansão é limitada. “Os agricultores terão que produzir mais na mesma área”, ressalta Elizeu Vicente dos Santos, gerente de Agricultura de Precisão da Cocamar Máquinas - Concessionária John Deere.

Na TV - Para mostrar o dinamismo das inovações nesse campo, a empresa coordenou a produção de uma série de reportagens que estão sendo apresentadas todas as semanas no programa de televisão aberta RIC Rural, veiculado aos domingos das 9 às 10h nas emissoras da RIC TV/Record no Paraná. Denominada “Agricultura de Precisão – Tecnologia no Campo, Alimento na Mesa”, a série estreou no dia 17 de janeiro e segue até o final de março, em 13 capítulos.

O que há de mais moderno - Os conteúdos mostram o trabalho de produtores, pesquisa, cooperativas e empresas, utilizando o que há de mais moderno em tecnologias.

Temas - “Abordamos, por exemplo, a importância da aplicação de insumos em taxa variável, monitoramento e direcionamento por satélites, uso de imagens diversas para entender melhor a propriedade, plataformas digitais e a aplicação intensiva de dados para tomada de decisão, entre outros temas”, afirma Elizeu.

Digitalização - O gerente lembra ainda que o produtor atual vive em uma era de constantes e rápidas mudanças. Com a digitalização, muitas das atividades rotineiras migraram para plataformas digitais, como as operações bancárias. “A digitalização potencializou uma das melhores formas de gerir a fazenda e facilitar o trabalho atualmente, que é a agricultura de precisão. Em resumo, colocar o insumo certo no local certo, da maneira certa e no momento certo”, conclui.