Notícias

Voltar

Metade da colheita deve estar concluída até hoje

15.03.2021

Com a colheita de soja da safra 2020/21 atingindo o seu auge em todas as regiões, a previsão da Cocamar Cooperativa Agroindustrial é que 50% da área cultivada estejam finalizados até hoje (15/3). Até agora, de acordo com o seu departamento técnico, a média de produtividade é de 3,2 mil quilos por hectare (que corresponde a 130 sacas por alqueire paulista), abaixo da estimativa inicial de 3,4 mil quilos.

Situações diferentes - A movimentação de máquinas é intensa e o tempo firme ajuda a acelerar os trabalhos. Quem percorre os campos, como fez o Rally Cocamar de Produtividade na quinta e na sexta-feira (dias 11 e 12/3), encontra lavouras em diferentes situações mesmo em regiões próximas. Desde soja começando ainda a amarelar as folhas – e entrando na reta final para a colheita – a áreas onde o milho de inverno, semeado após a retirada da cultura de verão, já emergiu e está em pleno desenvolvimento. Em alguns lugares, as plantadeiras vêm logo das colheitadeiras, mas de uma forma geral, o momento é de colher e os trabalhos iniciam de manhã e avançam noite adentro.

Correria - Na quinta-feira o Rally percorreu a comunidade Guerra no município de Maringá e foi até o distrito de Pulinópolis, em Mandaguaçu, onde a Cocamar colocou em operação uma estrutura de recebimento. Em ambas, caminhões se enfileiravam para despejar a safra. “A correria é muito grande neste período, estamos nos desdobrando para garantir um atendimento de qualidade aos produtores”, comentou o gerente Adilson Jardim Nocchi.

Um desafio a mais - Receber a safra em tempos de pandemia é um desafio a mais. Na unidade de Floresta, como em todas as outras da cooperativa, protocolos rígidos são seguidos. Na entrada, há desde tapetes satinizantes e aferidores de temperatura corporal, a higienizadores de mãos com álcool, produto que está disponível também nos balcões e mesas. O uso de máscaras é exigido em todas as dependências, inclusive de quem chega com seus caminhões para descarregar os grãos. E há placas por todos os lugares, reforçando a necessidade de que cuidados com a prevenção da Covid-19 sejam observados. “Estamos muito atentos”, resume o gerente Márcio Sartori.

Cena comum - Ao visitar uma propriedade em Itambé na tarde de sexta-feira, o Rally encontrou o cooperado Agnaldo Campagnolli de máscara, uma cena que se tornou comum entre os produtores no campo. Ele acompanhava a atividade de duas colheitadeiras, estimando que até domingo (14) o trabalho estaria encerrado.

Vai colher menos - Segundo Campagnolli, que cultiva 1,2 mil hectares na região, a colheita neste ano deverá ser 15% menor em comparação à anterior (2019/20), cuja média foi de 63,6 sacas/hectare (154/alqueire). “No ano passado, no final de fevereiro, nós já tínhamos praticamente todo o milho plantado”, citou, referindo-se ao atraso do ciclo atual, consequência da falta de chuvas na época da semeadura. No mais, as plantas sofreram com o excessivo volume de precipitações em janeiro e, mais recentemente, um novo período de estiagem, havendo queda de vagens.

De olho - Atento à colheita, o produtor não descuida do milho, que já despontou em algumas áreas. “Assim que surgem as primeiras folhas já é hora de controlar o percevejo”, completa.


Sobre o Rally

Em sua sexta edição, o Rally Cocamar de Produtividade acompanha o ciclo da soja do pré-plantio à colheita e tem como patrocinadores: Basf, Fertilizantes Viridian, Fairfax do Brasil Seguros Corporativos, Sicredi União PR/SP e Zacarias Chevrolet (principais), Cocamar Máquinas, Texaco Lubrificantes, Cocamar Irrigação, Estratégia Ambiental, Zoetis e Nutrição Animal Cocamar (institucionais). A realização conta com o apoio da Aprosoja/PR, Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb) e Cooperativa Unicampo.