Notícias

Voltar

Saff financiará agricultura sustentável na Cocamar

16.06.2021

A Cocamar Cooperativa Agroindustrial vai participar da primeira operação de crédito que o Sustainable Agriculture Finance Facility (Saff) fará no mercado de capitais brasileiro. O Saff vai financiar investimentos de integração entre lavoura, pecuária e floresta (ILPF) e outras técnicas de manejo que reduzem emissões de gases de efeito estufa do campo. A operação deve ser articulada com a criação de um fundo de crédito de carbono, também inédito para o Saff no país.

Fundo - O financiamento ocorrerá por meio de Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) que deve ser lançado até agosto na modalidade de "blended finance" - no qual uma conta é reservada a investidores que aceitam tomar maior risco, geralmente com perfil filantrópico. O Saff foi criado pela Rede ILPF com apoio do Lab, acelerador da ONG Climate Policy Iniciativa (CPI). O FIDC é operacionalizado pela JGP Asset Management.

Ampliação - Com os recursos, a área de ação de ILPF será ampliada para 200 mil hectares - ao todo, 300 produtores participarão do piloto do programa. Cooperados já adotam a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) em 80 mil hectares. Áreas de pastagens degradadas, que somam 60 mil hectares, também vão receber investimentos. Apenas na operação com a Cocamar, o Saff já supera com folga sua meta para o primeiro ano, de apoiar manejo em 90 mil hectares, segundo José Pugas, líder de ESG da JGP Asset Management e vice-presidente da Rede ILPF.

Outros - Na lista de projetos da Cocamar que terão apoio do FIDC estão ainda a implantação de 10 mil hectares de florestas para manejo e pacotes para citricultores que promovem técnicas como cobertura de solo com capim braquiária, ampliação do uso de defensivos biológicos e uso “consciente” de agrotóxicos, além de um programa de comércio justo, explica Pugas. Também terão apoio pequenos produtores que cultivam soja em consórcio com cana de terceiros, técnica conhecida como meiosi.

ESG - Para assegurar o “perfil ESG”, o fundo não permitirá que os cooperados desmatem, mesmo que dentro da lei. Os produtores serão monitorados por satélite e haverá auditoria e acompanhamento de técnicos da Cocamar.

Valores - A cooperativa espera que a operação levante inicialmente R$ 400 milhões para compor o patrimônio líquido do fundo, e prevê destravar até R$ 1 bilhão em créditos aos seus cooperados em dez anos, que é o prazo do FIDC. As condições do fundo de recebíveis, como taxas, prazos e carência, ainda serão definidos.

Menos carbono - Nos cálculos mais conservadores da Cocamar, os investimentos bancados pela operação evitarão o lançamento na atmosfera de 5 milhões de toneladas de carbono em dez anos. O volume é equivalente às emissões de gases de efeito estufa de São Luís em 2018.

Crédito de carbono - O Saff também está estruturando para a Cocamar o primeiro fundo de crédito de carbono do Brasil, que funcionará como suporte de garantia aos financiadores. A ideia é que os cooperados gerem crédito de carbono a partir de investimentos que resultem em redução de emissões e utilizem-nos em operações de bater (troca de produção por insumos) com a cooperativa, que por sua vez poderá vender os créditos no mercado voluntário. A Cocamar já está fechando contratos de venda desses créditos.

Empresas - A Rede ILPF é uma entidade nacional de incentivo à integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) no país, formada por Cocamar, Embrapa, John Deere, Bradesco, Syngenta, Soesp e Ceptis.

Pioneirismo - A Cocamar foi uma das pioneiras no Brasil, em 1996, no incentivo a esse modelo inovador e sustentável e conta com 200 mil hectares de áreas em formatos de integração diversos mantidos nas regiões onde atua, nos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Sobre a Cocamar - Com mais de 15,5 mil cooperados, a Cocamar é uma das principais cooperativas agropecuárias do país. No ano passado, o faturamento da cooperativa foi de R$ 7,49 bilhões, 52% maior que os R$ 4,650 bilhões obtidos em 2019. A previsão para este ano é chegar a R$ 8,5 bilhões, conforme estabelece o seu planejamento estratégico para o ciclo 2020/25.