Notícias

Voltar

Cocamar é destaque em produção de novilho precoce no Paraná

18.08.2021

Em setembro a Cocamar completa um ano de atuação no mercado de carne de alta qualidade, em uma parceria que vem assegurando mais rentabilidade a produtores pecuaristas de várias regiões do estado. Por meio da cooperativa, os animais são abatidos no Frigorífico Argus, de São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, que faz também a distribuição ao segmento varejista.

Conforme observa o médico veterinário do programa de Produção de Carne Precoce Cocamar, Luiz Henrique Garcia Abreu, ao longo desse ano têm chamado atenção os bons resultados obtidos pelos pecuaristas participantes, com seus lotes. Além da precocidade, destaque para o melhoramento genético realizado nas propriedades, bem como a nutrição adequada para atingir o critério desejado de gordura. “Os animais se sobressaem pela qualidade diferenciada da carne destinada ao mercado consumidor”, diz, salientando que cooperados das regiões de Paranavaí, Nova Fátima, Santa Mariana e Cianorte apresentaram o melhor desempenho no último trimestre (maio-julho).

Abreu comenta que o planejamento é essencial e lembra que a pecuária, por ser uma atividade de ciclo longo, começa agora, por exemplo, a programação para os lotes que serão abatidos em 2023 e 2024. “O ciclo de um animal voltado a esse programa inicia muito antes do seu nascimento, com as matrizes e a genética do touro a ser utilizado na estação de monta. Depois, serão nove meses de gestação e mais sete até a desmama; na sequência, um período de seis a dez meses de recria e entre 100 a 120 dias de confinamento. “São exigidos muito trabalho e dedicação em todas as etapas para garantir o que há de melhor para um mercado consumidor exigente”, completa Abreu.

A Cocamar tem o objetivo de consolidar sua presença em todos os elos da cadeia”, apoiando os produtores desde a compra dos bezerros de qualidade, à recria e terminação, prestando assistência técnica, fornecendo insumos e medicamentos e chegando ao mercado com o produto final – cortes especiais – identificado por um selo do programa.

A demanda surgiu de produtores que desenvolvem o sistema de integração lavoura-pecuária (ILP) e integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) em suas propriedades e conseguiram reduzir a idade de abate de seus animais, mas não estavam encontrando no mercado uma precificação adequada para animais de melhor qualidade.

Segundo Abreu, o programa vem se consolidando com animais provenientes de cruzamento industrial entre nelore e angus .

Os produtores que atendem aos quesitos desejados de carcaça, como acabamento uniforme de gordura, idade, faixa de peso e outros critérios, têm direito a um valor adicional pela arroba.

“Estamos padronizando os rebanhos, trabalhando apenas com animais de idade inferior a 24 meses, avaliados pela dentição, com gordura uniforme e na faixa de peso de 19 a 23 arrobas”, salienta o médico-veterinário, explicando que 90% dos animais abatidos têm abaixo 20 meses de idade .