Bem-Vindo, ao Jornal Cocamar!

Novas ferramentas digitais avançam na região da Cocamar

 

O emprego de novas ferramentas para auxiliar o produtor em seu trabalho vem sendo intensificado pela Cocamar

Drones – Um deles é a pulverização das lavouras com drones, serviço esse fornecido pela própria cooperativa, que investiu ainda no final do ano passado na aquisição de três equipamentos – sendo um deles específico para realizar o mapeamento das áreas – e na preparação de uma equipe especializada.

Estações – O outro é a estruturação de uma rede de 28 estações climatológicas, no Paraná, para a geração de dados de alta confiabilidade a respeito de prognósticos meteorológicos e de ataques de doenças, que vem sendo consolidada nesta safra de inverno 2022.

Grande procura – De acordo com o coordenador de Agricultura Digital, engenheiro agrônomo Vítor Palaro, os drones começaram a ser disponibilizados para agendamento aos produtores no mês de Janeiro e, desde então, já foram mais de 700 hectares de lavouras diversas, principalmente de soja e milho, manejadas com essa tecnologia. 

Agenda cheia – “A procura está sendo tão grande que temos a agenda completa com um mês de antecedência”, afirma Palaro. No momento, a maior demanda é por aplicação de fungicidas no milho – com a vantagem de que o drone, ao contrário das máquinas, não amassa as plantas, não consome combustível, não tem limitação topográfica, pode ser acionado mesmo após uma chuva e, como voa a 2m de altura da lavoura, tolera ventos de até 15 quilômetros horários. Um hectare é percorrido em 15 minutos.

Funções – Quanto as estações climatológicas, além de oferecerem um confiável índice de previsibilidade de precipitações de 90% em prognósticos com até 72 horas, os equipamentos – fabricados pela empresa Metos Brasil e distribuídos inicialmente por 28 municípios – contêm algumas outras funções destinadas a orientar os produtores na sua tomada de decisão. 

Alertas e indicativos – As funções se resumem a alertas sobre o risco de ocorrência de enfermidades nas culturas em determinadas regiões, tendo como base a soma de informações de temperatura e umidade; e indicativos apontando, eventualmente, a existência de condições ideais para a realização de tratamentos fitossanitários.

Assertividade – São 17 unidades-piloto, no total, que foram submetidas a uma fase de testes e experimentos nos últimos meses, em que o pessoal técnico de cada uma fez a divulgação do novo serviço junto aos cooperados e procurou conhecer suas opiniões. “Em busca de maior assertividade, nosso objetivo é, com o tempo, ampliar o número de estações climatológicas”, afirma o coordenador, lembrando que a rede está conectada e os produtores devem habituar-se aos seus relatórios como uma ferramenta para aprimorar a gestão.

Pragas – Palaro acrescenta ainda que em parceria com a Metos Brasil foi acoplada uma nova função na estação climatológica mantida na Unidade de Difusão Tecnologias (UDT) da cooperativa em Floresta, região de Maringá. Trata-se de uma armadilha para detecção em níveis altamente assertivos de pragas nas principais lavouras, cujos relatórios vão permitir que os produtores agilizem o controle.   

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on telegram
Share on tumblr
gdpr-image
Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao usar este site você concorda com nossos Política de Proteção de Dados.

Links Úteis

Institucional

SOCIEDADE RURAL DO PARANÁ
www.srp.com.br
 
GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ
 
BNDES
 
FLAMMA

Bioenergia / Turismo

RETUR (REDE DE TURISMO REGIONAL)
www.retur.com.br
 

Agricultura

 
SECRETARIA DE AGRICULTURA
E ABASTECIMENTO (SEAB)
 
EMATER

Central de Atendimento

Contato: André Bacarin

    Acesse o mapa para ver nossa localização