Bem-Vindo, ao Jornal Cocamar!

Produtores finalizam uma das safras mais desafiadoras

Com a colheita de soja praticamente encerrada nas regiões atendidas pela Cocamar Cooperativa Agroindustrial, nos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, a avaliação geral aponta para médias muito abaixo em relação às expectativas iniciais. De acordo com o gerente técnico Emerson Nunes, a produção média de 1.668 quilos por hectare corresponde a apenas 47,6% do estimado, que era de 3.200 quilos/hectare.

Noroeste e MS – “Foi um ano extremamente desafiador, sob todos os aspectos”, afirma Nunes, assinalando que no Paraná a região noroeste, com seus solos mistos e arenosos, polarizada pelas cidades de Maringá, Cianorte, Paranavaí e Umuarama, foi uma das mais prejudicadas do estado, situação parecida com a de Nova Andradina, no Mato Grosso do Sul.

La Niña – A forte quebra é resultado dos efeitos do fenômeno meteorológico La Niña, provocado pelo resfriamento das águas superficiais do Pacífico Sul e que ocasionaram oscilações climáticas extremas no ciclo 2021/22, como precipitações em volumes recordes no mês de outubro, incluindo a ocorrência de vendavais e granizo; prolongada estiagem e má-distribuição de umidade durante a maior parte da fase de desenvolvimento da lavoura, completando com calor intenso na etapa final, de formação de vagens e grãos.]

Terminando – Na segunda-feira (18/4), a cooperativa apurou que faltavam apenas 1,5% das áreas para serem colhidas, sabendo que os números não devem apresentar mais nenhuma variação.

Perdas – A média no noroeste paranaense, Maringá e imediações foi fechada em 990 quilos/hectare, 70% abaixo da previsão inicial, ao passo que em Nova Andradina o cenário foi ainda pior, com uma produtividade de 665 quilos/hectare, 78% a menos.

SP – No oeste paulista, que inclui o programa de renovação de áreas de canaviais mantido pela Cocamar em parceria com três usinas, os produtores colheram a média de 1.511 quilos por hectare, 51,3% a menos que o estimado, mas nas regiões de Cruzália, Iepê e Palmital – onde a cooperativa possui unidades de recebimento – as perdas foram menores: 23,5% com a produtividade média de 2.396 quilos/hectare.

Norte do PR – Por fim, o norte paranaense foi o que apresentou a menor redução, 22%, para uma média de 2.549 quilos/hectare.

Diferenças – O gerente técnico lembra ainda que as variações de produtividade foram gritantes em algumas regiões do Paraná. Enquanto Umuarama registrou apenas 335 quilos por hectare, produtores de Arapongas, próximo a Londrina, chegaram a colher quantidades históricas, de 3.594 quilos por hectare.  

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on telegram
Share on tumblr
gdpr-image
Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao usar este site você concorda com nossos Política de Proteção de Dados.

Links Úteis

Institucional

SOCIEDADE RURAL DO PARANÁ
www.srp.com.br
 
GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ
 
BNDES
 
FLAMMA

Bioenergia / Turismo

RETUR (REDE DE TURISMO REGIONAL)
www.retur.com.br
 

Agricultura

 
SECRETARIA DE AGRICULTURA
E ABASTECIMENTO (SEAB)
 
EMATER

Central de Atendimento

Contato: André Bacarin

    Acesse o mapa para ver nossa localização