Bem-Vindo, ao Jornal Cocamar!

Braquiária solteira cuida do solo e aumenta a produtividade da soja

Como a braquiária solteira, cultivada nos meses de outono e inverno pode contribuir para o aumento da produtividade da soja no verão? Em busca dessa resposta, a equipe do Rally Cocamar da Produtividade esteve na segunda-feira (28/2) na Embrapa Soja em Londrina (PR), onde foi recebida por três pesquisadores: Júlio Franchini, Alvadi Balbinot e o chefe adjunto Adilson Oliveira Júnior.

Fazer rotação – Por questões econômicas, nem todos os produtores admitem cultivar braquiária solteira no inverno, em detrimento de uma cultura comercial. Por isso, a orientação de Franchini é que isso seja feito em sistema de rotação, destinando a cada ano apenas uma parte das terras para essa finalidade.

Potencial – Numa parcela mantida na Embrapa Soja, onde no outono/inverno se fez o cultivo de braquiária solteira, o potencial de produtividade da soja, segundo o pesquisador, é de 180 sacas por alqueire (74,3 sacas/hectare), com incremento de 10% a 12% em relação a uma lavoura onde isto não foi feito.

Mais raízes e palhada – Franchini se baseia em um levantamento que leva em conta os resultados de seis safras. “Uma das principais vantagens da braquiária solteira é a maior produção de raízes e palhada”, afirmou, salientando que, na média por hectare, o cultivo resulta em 10 toneladas de matéria seca na superfície e 4 toneladas de raízes. Só para comparar, a cultura da soja deixa 4 toneladas de palha seca na superfície e 1,5 tonelada de raízes; o milho, 6 toneladas de palhada e 1,5 tonelada de raízes. “A diferença e o impacto são muito grandes”, disse.

Insuficiente – Como a palhada do milho deixa grande parte do solo desprotegido, o mesmo vai ficar exposto à radiação direta, havendo aumento considerável da temperatura da superfície (de 30ºC, em média, para mais de 60ºC) e maior incidência de ervas de difícil controle.

Planejar – Franchini comenta que como esse cenário de dificuldade climática veio para ficar, o produtor precisa adotar um planejamento, colocando a braquiária solteira em 20, 25 ou 30% da área, criando assim um ambiente muito melhor para a soja e com menos riscos de perda. “No longo prazo, há aumento de produtividade e rentabilidade quando se trabalha no sistema mais diversificado, caso da braquiária solteira.”

Nematoides – O pesquisador lembrou, ainda, que alguns produtores costumam criar barreiras à adoção dessa prática, incluindo o consórcio milho e braquiária, argumentando que o capim favoreceria a infestação de nematoides. “O que a gente vê é justamente o contrário. Com o aumento da diversidade de espécies vegetais, aumenta a diversidade de microrganismos no solo, o que ajuda a controlar as populações de nematoide, de maneira a não causar danos à soja. Em resumo: as populações de nematoide são menores onde a braquiária está presente”, observou.

Plantio direto – Quanto a conservação do solo, o pesquisador lamentou estar havendo perda de qualidade no plantio direto, uma vez que parte dos produtores valoriza muito a parte operacional, em detrimento das curvas de nível, que são retiradas total ou parcialmente.

Infiltração – “A curva de nível tem um papel muito importante, que é reter a água que não infiltra no solo”, explicou, acrescentando: em sistemas padrão soja-milho, comuns na região norte do estado, a infiltração é de 30 milímetros por hora. “Quando você diversifica com a braquiária, ou planta ela solteira, a infiltração aumenta, tranquilamente, para 60 milímetros por hora, reduzindo assim a perda de água por escoamento, que vai ficar armazenada no solo.”

Erosão – A curva de nível é indispensável, também, para proteger de chuvas muito volumosas, lembrando que em outubro do ano passado as precipitações passaram de 400 milímetros, muito acima da média, e observou-se que inúmeras propriedades tiveram sérios problemas com erosão.

Retrocesso – “A erosão causa um grande prejuízo, o produtor perde a camada mais fértil do solo e os danos são muito maiores que o ganho operacional”, disse Franchini, que completou: “Não podemos desvincular uma coisa da outra, temos que ter plantio direto com curva de nível e palhada para a qualidade física do solo. Não podemos retroceder”.

Investindo na soja
pela primeira vez

Ainda no distrito da Warta, município de Londrina, o Rally visitou a propriedade da família Fonseca, que mantém tradição na pecuária leiteira e de corte, onde o cooperado Sérgio Fonseca conduz os negócios ao lado dos filhos Diogo e Maicon. Para diversificar as atividades com o objetivo, também, de aumentar a rentabilidade, eles investiram pela primeira vez no plantio de soja, em 24 alqueires (52,8 hectares), sob a orientação do agrônomo Silvio Munhon, da unidade local da Cocamar.

Com a colheita recém finalizada, os Fonseca registraram a média de 145 sacas por alqueire (60 sacas/hectare), bem acima do que a grande maioria dos produtores vem obtendo este ano no Paraná. Num talhão de 6 alqueires, inclusive, a média foi de 173 sacas por alqueire (71,4/hectare). “Aqui praticamente não sentimos a falta de chuvas”, disse Diogo, salientando que embora sem experiência na cultura, eles se sentiram seguros com o apoio técnico prestado pela cooperativa.

O gerente das unidades de Londrina e Warta, Ricardo Mendes, comenta que as primeiras colheitas na região apresentaram média de 112 sacas por alqueire (46,2/hectare), número que deve subir com o decorrer dos trabalhos, pois as lavouras semeadas mais tardiamente se encontram bem melhores.

Sobre o Rally

O Rally Cocamar de Produtividade, em sua sétima edição consecutiva, conta com o patrocínio das seguintes empresas: Basf, Fairfax do Brasil – Seguros Corporativos, Fertilizantes Viridian, Zacarias Chevrolet e Sicredi União PR/SP (principais), Cocamar Máquinas, Lubrificantes Texaco, Estratégia Ambiental e Irrigação Cocamar (institucionais), com apoio da Aprosoja/PR, Cesb e Unicampo.

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on telegram
Share on tumblr

Artigos Relacionados

gdpr-image
Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao usar este site você concorda com nossos Política de Proteção de Dados.

Links Úteis

Institucional

SOCIEDADE RURAL DO PARANÁ
www.srp.com.br
 
GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ
 
BNDES
 
FLAMMA

Bioenergia / Turismo

RETUR (REDE DE TURISMO REGIONAL)
www.retur.com.br
 

Agricultura

 
SECRETARIA DE AGRICULTURA
E ABASTECIMENTO (SEAB)
 
EMATER

Central de Atendimento

Contato: André Bacarin

    Acesse o mapa para ver nossa localização